Orientalismo Romântico

Sempre que vou à São Paulo com meu marido a gente tem uma parada obrigatória: ir à Khan El Khalili, uma casa de chá egípcia que fica em Vila Mariana, pertinho da estação Ana Rosa.
O frisson começou na época que eu dançava dança do ventre. A Khan El Khalili é uma referência nacional de qualidade nesta modalidade. No entanto, depois que parei de dançar continuei indo lá, só que agora com o coração menos ávido por dança e mais interessado em romance.
A última vez que estive lá foi quando renovei meu visto para ir aos Estados Unidos. Aproveitamos e tiramos uns dias lá em Sampa pra curtir. A casa é dividida em várias salas, super aconchegantes. Você pode escolher se quer se sentar no chão, em almofadas e ser servido em mesinhas baixinhas, ou se você prefere sentar-se em cadeiras normais mesmo. A decoração de lá é linda e a comida de extrema qualidade.
Os shows de dança começam em horários específicos e em cada uma das salas a bailarina dança de improviso uma música diferente. Para comer escolhemos entre o ritual oriental ou a opção de queijos e vinho. Ambas são extremamente bem servidas, quando a gente acha que vai parar de chegar delícias a gente se surpreende com o garçom nos oferecendo mais coisas.
O clima aconchegante de lá, honestamente, convida sempre ao vinho. Da última vez que fomos lá decidimos não nos sentarmos no chão porque eu estava de saia e é sempre mais difícil de levantar. Ficamos num salão sentadinhos lado a lado curtindo o nosso vinhozinho e assistindo às belas apresentações de dança. Decidimos que não tínhamos pressa pra ir embora, então fomos ficando, bebendo com calma, comendo com calma, até que todos os shows que iriam acontecer na nossa sala acabaram. Foi quando a garçonete chegou pra gente e perguntou se a gente gostaria de ir a uma outra sala para assistirmos ao show de lá também.
Decidimos que queríamos mesmo curtir a noite, a gente já estava bebendo vinho a doidado, ai resolvemos ir para a outra sala ver a dança. Não me lembro qual foi a bailarina, mas lembro-me da música que ela dançou: Inta Omri.
Para quem não sabe, quando me casei eu ainda era dançarina e professora de dança. Então logo depois da cerimônia do casamento, eu me troquei e dancei essa música para o meu marido. Por que Inta Omri? Porque essa música é uma das declarações de amor mais lindas que já vi. Ela é uma música clássica árabe de uma cantora lendária chamada Om Kalthoum e o significado de Inta Omri é “você é minha vida”. Não me lembro desde quando, mas há muito tempo essa era a música favorita do Cesar e minha, e eu nunca a havia dançado antes.
Pois bem, lá estávamos nós, na Khan El Khalili. Mudamos de sala e fomos assistir às bailarinas novamente, com outras músicas, e eis que surge a odalisca de roupas claras dançando Inta Omri, exatamente na mesma versão que eu dancei no meu casamento. Aquilo foi a cereja do bolo para a nossa noite romântica. Meus olhos se encheram d’água enquanto ela dançava e meu marido segurava a minha mão como quem se lembrava daquele momento em nosso casamento em que ele ficou sem palavras enquanto eu deslizava pelo palco com o véu esvoaçante de seda pura.
Hoje não mais danço, mas acho que a sensibilidade da artista que sempre fui estará sempre aflorada em mim. Essa é a sensibilidade necessária para se viver a vida com leveza, e principalmente, essa é a criatividade para transformar os nossos dias, tardes e noites em momentos deliciosamente românticos, sempre.
Provem um dia, estando em Sampa, uma noite oriental na Khan El Khalili e depois me digam se é romântico ou não!
Até a próxima!

P.S. A bailarina da foto sou eu, no dia do meu casamento… o dia mais romântico da minha vida!

Khan El Khalili:
R. Dr. José de Queirós Aranha, 320 – Vila Mariana
Fone: 11 5575-6647
aberta de 3ª a Domingo – das 14h até meia-noite
6as. e Sábados – das 14h às 1:00h
danças a partir das 19h
http://www.khanelkhalili.com.br/frame.htm

4 comments on “Orientalismo Romântico

  1. Fantástica a história. Viajei nela de tal maneira que nem sei explicar. Mas não concordo com uma coisinha, como uma mulher linda, inteligente, escritora de textos marcantes, romântica e que nos leva a viagens mentais tão interessantes, pode deixar a dança de lado? Tenho certeza que seus textos não seriam ricos como são.Se estivesse dançando, seriam milhonários. Sensível, delicada, atenciosa e bailarina… já pensou? Querida, estou morta de curiosidade para conhecer tanto a música quanto o local. Me lembro de vc todas a vezes que danço e que ouço músicas árabes. Vc é talentosa em tudo que faz, por isso é tão brilhante. Parabéns por mais um belíssimo texto
    Beijocas
    Lu

  2. Querida, arrepiei com seu texto. Que delícia de lugar… mas o que me chamou a atenção mesmo, foi de me lembrar de seu casamento.

    Foi tão lindo, aquele texto que foi lido… a música, e vc toda esvoaçante.
    Sabe que seu casamento foi totalmente inesquecível.

    Só tenho pena de vc ter deixado a dança. Vc tem a alma de artista, querida.
    Beijo carinhoso
    Mary

  3. Olá, adorei seu texto e posso dizer que conseguiu me emocionar profundamente o momento feliz e marcante que você viveu com seu marido. Sou um cara romântico e sei como é legal viver esses momentos. Muitas felicidades a vocês, de coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *