Feriado romântico em Belo Horizonte

Primeiro salão do Museu da PUC

No feriado do dia das crianças, no início deste mês, meu marido e eu decidimos ficar em Belo Horizonte e curtir um programinha romântico/cultural juntos. Começamos por uma visita ao Museu de História Natural da PUC-MG, lá no Coração Eucarístico. O passeio foi uma delícia! Com direito a retratos, perguntas intrigantes e uma crise de riso quando a monitora no museu nos convidou para irmos ao planetário. Eu explico! Sabem aquelas bonecas antigas que fecham os olhos quando a gente as deita? Pois é. Eu sou exatamente assim quando entro em um planetário. É só olhar pra cima e me deparar com o universo que em segundos adormeço. Isso aconteceu comigo em Nova Iorque, no Museu de História Natural, e esse ano se repetiu em San Francisco, na Academia de Ciências Naturais… Impressionante!
Casarão do Museu Abílio Barreto
Pois bem. Acabamos nosso passeio lá no Museu da PUC e fomos dar mais umas voltas por Belo Horizonte. No meio do caminho nos lembramos do Museu Abílio Barreto, ali no bairro Cidade Jardim. Esse museu é uma ótima pedida para quem gosta de programas românticos e culturais. O lugar é um encanto, a entrada é franca e ao final do passeio o casal apaixonado pode se curtir no Café do Museu, um bistrô super aconchegante, com uma comida maravilhosa e um clima pra lá de romântico.
Primeiro fomos até o prédio principal do museu para pegarmos mapinhas do lugar e então seguimos em direção ao Casarão antigo. Antes de entrarmos lá dentro, no entanto, percebemos que em outra portinha ao lado tinha uma pequena exposição sobre a religiosidade de Belo Horizonte. Que passeio! Rapidinho nós aprendemos sobre as principais igrejas de BH e ainda de quebra conhecemos a história dos templos de outras religiões que estão presentes aqui na cidade.
Famosa locomotiva
Terminamos de ver essa pequena mostra e fomos para o Casarão principal. Lá, fomos recepcionados por um guia extremamente preparado e solícito. A gente se encanta quando vai pra fora e vê histórias sobre cidades e civilizações distantes, mas se esquece do tanto que é gostoso conhecer as nossas próprias raízes. O passeio pelo casarão foi muito bom. Ao final, demos uma volta pela área externa do museu. Tiramos fotos da Maria Fumaça, do Carro do Bonde e então percebemos que já eram 16h e a gente tinha se esquecido de almoçar.
Voltamos ao prédio principal e eis que tivemos o grande desfecho do nosso dia romântico: o Café do Museu. Um lugarzinho pequeno, no segundo andar do prédio principal. Um janelão de fora a fora que dá vista para exposições temporárias do museu e para os jardins. Cadeiras super gostosas, flores e velinhas nas mesas, música ambiente envolvente e um cardápio irrepreensível: Isso é o que você vai encontrar assim que entra no Café. Os casais apaixonados de carteirinha podem sentar-se à mesa com o sofazinho, assim dá pra ficar lado a lado abraçado enquanto saboreiam as delícias do lugar.
Olha o sofazinho ai ó!
Grazi, a garçonete que nos atendeu, era a simpatia em pessoa. Enquanto conversávamos, ela me contou que em alguns dias da semana por lá os casais podem curtir shows de jazz ao vivo. Tudo de bom, não é verdade? Uma coisa muito importante que Grazi me contou é que se os pombinhos querem namorar por lá sábado à noite é legal dar uma ligada antes para reservar a mesa. Como o lugar é pequenininho, não custa nada planejar com antecedência a noite romântica, não é mesmo? E pelo que Grazi me contou vários pedidos de casamento e inícios de namoro aconteceram por lá, naquela mesa, sabe? A do sofá? Pois é…
Nesse dia meu marido e eu curtimos muito o fim de tarde por lá. O café estava vazio e o clima super agradável. Depois de umas biritas, um bom carpaccio e muitos beijinhos, nos despedimos deste recanto dos apaixonados e fomos pra casa, abrir mais uma garrafa de vinho e fechar com chave de ouro o feriado romântico que tivemos bem aqui, do ladinho de casa.
Até a próxima pessoal!
P.S. Pra quem quer só curtir as comidinhas deliciosas do Café do Museu e está pela região da Savassi, vale dar um pulo na unidade do Pátio Savassi. Delícia!
 Serviço:
Avenida Dom José Gaspar, 290, Bairro Coração Eucarístico, Campus PUC Minas, CEP: 30535-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.
Telefone geral: (31)3319-4152
Horário de Funcionamento: terça, quarta e sexta-feira de 8h30 às 17h; quinta-feira de 13h às 21h; e sábados e feriados de 9h às 17h (Excepcionalmente sábado dia 16/10, o Museu estará fechado para manutenção interna).
Entrada: R$4,00 (custo variado para outras atividades)
Observações:
– Entrada franca – crianças até 5 anos, maiores de 60 anos, funcionários e estudantes da PUC Minas (mediante apresentação da carteira de identificação) e membros do ICOM (Conselho Internacional de Museus).
– A venda de ingressos se encerra 15 minutos antes do horário de fechamento do Museu.
Av. Prudente de Morais, nº 202 – Cidade Jardim CEP: 30.380-000 Belo Horizonte / MG – Brasil 
Telefone: 55 31 3277.8573
Entrada Franca
Biblioteca/Consulta ao Acervo – De segunda a sexta, das 9h às 17h
 Exposições – De terça a domingo, das 10h às 17h e quinta, das 10h às 21h
Área externa – De terça a domingo, das 7h às 18h e quinta, das 7h às 21h
Loja – De terça a domingo, das 9h às 17h e quinta, das 10h às 21h
Avenida Prudente de Morais, 202 Cidade Jardim 
Telefone: (31) 3291-5320
Funcionamento: terça a domingo, das 10h à 0h
Café do Museu Pátio Savassi
Funcionamento: segunda a sábado, das 10h a 0h; domingo, das 10h as 23h
Telefone: (31)3288-3863

About Nicole Delucca Linhares

Uma jornalista obcecada pelo lado bom da vida que está sempre em busca de experiências românticas para dividir com o mundo. Apaixonada por comidinhas, pores-do-sol, plantas, livros, cinema, viagens e teatro. É também professora de italiano, cozinheira para todas as horas, filosofa de boteco e, por fim, uma mistura doida de Minas, Itália e Piauí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *