Os lugares mais românticos de Belo Horizonte

Essa semana, embalados pelas comemorações dos 117 anos de BH, me perguntaram: Nicole, qual é o lugar mais romântico de Belo Horizonte? Respirei fundo. É que é difícil, assim de bate pronto, dizer quais são os lugares românticos de BH. Esse ranking depende muito de quem opina. A capital mineira é uma cidade linda. Claro, isso também é subjetivo, mas desconfio que as pessoas que dizem o contrário, ainda não abriram os olhos para enxergar a verdadeira alma de Beagá.
 
Os redutos românticos de Belo Horizonte não são somente os seus inúmeros bares, restaurantes, hotéis, parques e praças. Não! Basta dar uma volta pela cidade que vemos que BH é cheia de encantos de transbordar o coração. Ao lado de pichações, encontramos grafites e artes pelos muros. Às vezes uma luminária diferente na rua, ou uma casinha antiga já garantem o charme do local por onde passamos. Onde quer que você esteja, vai logo descobrir que BH é uma cidade acolhedora para aqueles que querem explorá-la e saboreá-la vagarosamente.
 

Lugares Românticos escondidos na Selva de Pedra

Segunda-feira mesmo, eu estava indo a uma reunião na Igreja São José, na Avenida Afonso Pena. Ao estacionar, reparei pertinho da rua São Paulo as luminárias antigas da cidade acesas. Um charme! E quem diria? Centrão da cidade. E a Praça Sete? Bastou eu abrir os olhos para me esquecer do caos daquele vai e vem e conseguir enxergar além: Prédios antigos precisando de revitalização, árvores no canteiro central decoradas para o Natal, construções revitalizadas. A mistura do velho e do novo. Lirismo escondido no meio do asfalto. Pois é, gente, o Centrão de Beagá me fez dar aqueeeeeeele suspiro!
 
Seguramente ali já foi no passado um lugar romântico – para mim, que tenho essa alma meio saudosista, ainda é. A Avenida Afonso Pena já foi palco de passeios de casais que andavam por lá de mãos dadas. Meus avós mesmo faziam footing por ali na década de 1950, quando namoravam! Programa do final de semana nessa época era paquerar na Afonso Pena, caminhar no Parque Municipal, ir ao Francisco Nunes, ou, mais tarde um pouco, passear na Galeria Ouvidor, inaugurada na década de 1960, então o primeiro e único shopping de Belo Horizonte. 
 

Charme da Boemia

Querem ver outro exemplo de romantismo bem tipicamente belo-horizontino? A boemia! Sinto-me em casa, por exemplo, nos botecos do bairro Santa Tereza. E é aquela coisa: quem aqui de BH que atire a primeira pedra se não confessar que nas madrugadas intermináveis de baladas, invariavelmente no final da noite não ia parar no bom e velho Bolão para comer um rochedão? Quem nunca deu uns beijos na boca, sentado ali na praça de Santa Tereza, naquela mocinha ou mocinho que conheceu na balada? Muitos hão de dizer que não há nada de romântico nisso. Ahhhh mas eu digo e repito: isso tem tudo de romântico, mesmo que seja só por uma noite!

A cidade dos pores-do-sol

Belo Horizonte é uma cidade que me tira suspiros até mesmo quando estou presa em engarrafamentos. Imaginem que certa vez fotografei um pôr-do-sol parada no trânsito na Avenida Raja Gabaglia! Culpa das subidas e descidas daqui. Quando não temos outra escolha senão esperar, dependendo de onde estamos, nos acalmamos vendo a lindíssima e judiadíssima Serra do Curral.
 
Querem mais lugares românticos em BH? Quem nunca quis impressionar a namorada indo com ela num fim de tarde para o Mirante do Mangabeiras comer pipoca e ver o pôr-do-sol? (hummmm seiiii!) Se vocês nunca experimentaram chegar até o Mirante (quem nunca foi, vá!), certamente pararam na Praça do Papa e ficaram lá, abraçadinhos, se protegendo do frio! (mesmo em dias quentes, lá sempre tem uma brisa).
 
E se não foram curtir pôr-do-sol na montanha, provavelmente foram tomar milk-shake no Xodó e dar umas voltas pela Praça da Liberdade. Será que passeando por lá vocês encontraram algum músico no coreto fazendo um show gratuito? Ou algum poeta recitando poesias? Ou algum artista realizando performances?
A Praça da Liberdade já foi o ponto de encontro de muitos poetas que viveram aqui na capital mineira. De todos, o meu preferido é Carlos Drummond de Andrade. Ele nos brindou com versos lindíssimos que brotaram de seu coração inspirados nos jardins de lá: “Verdes bulindo/Sonata cariciosa da água fugindo entre rosas geométricas/ Ventos elísios/Macio/Jardim tão pouco brasileiro… mas tão lindo/ Paisagem sem fundo/A terra não sofreu para dar essas flores/Sem ressonância/O minuto que passa desabrochando em floração inconsciente/Bonito demais/ Sem humanidade/Literário demais”.

Jeitinho mineiro de amar

Beagá é cheia de refúgios, lugarzinhos escondidos, barzinhos pequenininhos e pracinhas aconchegantes. Ela traduz em sua arquitetura, mesmo com seu crescimento desenfreado, essa característica “mineira de ser” e de acolher. É como se a cidade nos levasse pra cozinha de casa pra tomar um cafezinho coado na hora com pão de queijo. Amor em Minas é assim: gostoso e aconchegante. Tem cheiro de vegetação de montanha e é quente como o pôr-do-sol visto lá de seus topos – mas se não quiserem chegar lá, serve ir ao Topo do Mundo mesmo. O restaurante fica pertinho de BH, é delicioso e o pôr-do-sol de lá também!
 
Eu vejo romantismo na Belo Horizonte de cervejinhas com fígado acebolado e jiló frito no Mercado Central. BH é romântica nas manhãs de domingo no Parque Municipal assistindo às apresentações gratuitas de música da Orquestra Sinfônica do Palácio das Artes. As caminhadinhas de domingo na Feira da Afonso Pena também tem o seu charme. Eu vejo romantismo nos passeios na Lagoa da Pampulha, com direito a parada no Parque Guanabara para comer algodão doce, andar de carrinho tromba-tromba e roda gigante.
Eu vejo romantismo nas árvores de BH, nas pichações, nos viadutos, nos jardins da cidade, na Serra do Curral que invariavelmente avistamos de algum ponto da cidade. A mistura do velho com o novo, do planejado com o desenfreado. Da afobação do centro com o ar fresco da montanha… Tudo isso faz de Beagá um lugar único. Para mim, minha cidade é um dos lugares mais deliciosos onde já estive para me apaixonar por alguém. Vai tentar resistir? Desafio você a conseguir!

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *