Dia dos Namorados em Casa: Tiramisu para a sobremesa

Tiramisu

O dia dos namorados já é semana que vem! Como o tempo passou rápido! Sei que muita gente ama sair, no entanto este post é para quem quer namorar em casa. Para aqueles que gostam de badalação, fiquem de olho que darei por aqui dicas de lugares legais também. Mas, para aqueles mais caseiros, publicarei ao longo da semana uma série receitinhas para um menu romântico completo. Será um post com entrada, outro com prato principal e outro com a sobremesa. Não sei se vocês sabem, mas quando cozinhamos um menu de três tempos, geralmente o primeiro prato que preparamos é a sobremesa. É que no geral ela precisa de tempo para firmar. Sendo assim, o nosso primeiro post da série será dedicado a ela: Quem ai gosta de Tiramisu?

Tiramisu: um doce para arrebatar corações

Então vocês me perguntam: por que o tiramisu foi o escolhido para esse menu romântico? Em primeiro lugar ele é um doce extremamente fácil de fazer. Em segundo, por causa do café e do cacau, ele faz parte daquela categoria de sobremesas que não são muito doces. Em terceiro lugar, o tiramisu na minha opinião é super charmoso e o melhor: perfeito para ser saboreado a dois.

Na Itália eles o chamam de dolce al cucchiaio, que significa doce para ser comido a colheradas. Quem ai assistiu ao filme Sem Reservas? Estão lembrados daquela cena quando a Kate (Catherine Zeta-Jones) e o Nick (Aaron Eckhart) estão sentados no chão da sala comendo um Tiramisu? Pois é: doces para serem saboreados a colheradas tem essa vantagem, podem ser degustados a dois como nesta cena ai abaixo. Existe no mundo um fim de jantar mais romântico do que esse?

Afrodisíaco?

Outra razão para a escolha do tiramisu para o nosso menu é uma curiosidade divertida a respeito da receita. Existem lendas que afirmam que ele tem esse nome pela sua suposta capacidade de “levantar os ânimos” daqueles que o experimentam. Tira mi su = jogue-me para cima.

POlêmicas históricas

Como todas as receitas italianas que se prezam, o tiramisu é vítima de polêmicas. Qual é a região onde ele nasceu? Mesmo sendo uma sobremesa difundida por toda península, as regiões que clamam para si a sua invenção estão todas mais a norte. São elas: Friuli Venezia Giulia, Veneto, Lombardia e ali, na rabeira, com uma ou duas histórias, estão também a Toscana e o Piemonte. A verdade mesmo é que acredito que o intercâmbio de informações entre as regiões tenha sido grande e todo mundo acabou fazendo tiramisu quase ao mesmo tempo. Uma certeza temos: o queijo mascarpone, ingrediente básico e obrigatório da receita, é tipico da Lombardia. E a Lombardia está ali, no meio do caminho entre todas as regiões beligerantes.

E as histórias são muitas! Vão desde restaurantes regionais que clamam para si a criação da receita, passando por cozinheiros renomados que supostamente a criaram para agradar gente importante. Dentre as celebridades estão, no século XVII, com Cosme III dos Médici, que deu ao doce o apelido de Zuppa del Duca, e no século XIX o conde Camilo Benso de Cavour, figura proeminente no processo de unificação da Itália.

Fora isso, há quem diga também que essa seria uma sobremesa preparada nos anos 1930 em uma “casa de tolerância” que ficava no centrão da cidade de Treviso, no Veneto. Segundo as más línguas o doce era servido aos clientes mais habituais para que eles se recuperassem dos esforços realizados (podem rir, eu deixo! Estou rindo aqui enquanto escrevo também!)

Muitas Receitas de Tiramisu espalhadas por ai

O tiramisu tornou-se o símbolo da sobremesa italiana por excelência. Ele é apreciado e reproduzido mundo afora. Existem várias receitas dele por ai e muitas inclusive descaracterizam o doce como um todo. Já vi tiramisu de vários sabores e confesso: eu mesma de vez em quando uso a receita base para criar sobremesas de limão ou de frutas vermelhas. Mas, na tentativa de manter-me fiel às raízes, trago para vocês aqui a receitinha original que me foi ensinada por italianos. Sendo assim: nada de cream cheese para substituir o mascarpone! Vamos à receita?

Ingredientes

  • 1 pacote de biscoito champanhe (350g)
  • 6 ovos (os mais frescos que vocês conseguirem encontrar! Eles não serão cozidos, portanto devem realmente ser de boa procedência)
  • 120g de açúcar refinado
  • 500g de queijo mascarpone (já falei, né? se quiserem seguir o clássico nada de cream cheese ou ricota!)
  • Café expresso ou café coado forte adoçado a gosto em quantidade suficiente para molhar os biscoitos. No caso eu não coloco muito açúcar porque o biscoito champanhe que encontramos aqui no Brasil vem polvilhado com açúcar.
  • Cacau em pó suficiente para polvilhar na finalização
  • Caso gostem de um sabor alcoólico, fica gostoso adicionar uma dose pequena de licor de café ou marsala ou mesmo vinho do Porto no café que molhará os biscoitos.

Preparo

  • Vamos começar pelos ovos: separem as claras das gemas. Façam isso com bastante atenção porque para que as claras sejam batidas em neve não é legal ter resquícios de gema nelas.
  • Batam as gemas com a metade do açúcar até que a mistura fique bem clarinha e espumosa. Uma dica para aquele gosto de ovo desaparecer é coar as gemas para retirar delas a película mal cheirosa.
  • Juntar aos poucos o mascarpone e continuar batendo.
  • Assim que todo o queijo tiver sido adicionado, teremos um creme denso e compacto.
  • Agora é a vez das claras: Batam as claras em neve juntando lentamente a outra metade do açúcar. O ponto deve ser aquela clara em neve bem durinha.
  • Quando as claras estiverem prontas, misturá-las delicadamente à mistura de mascarpone.

Montagem

  • Quando o creme estiver pronto, colocar uma boa colherada dele no fundo de um pirex de 30X20cm. Se vocês preferirem, podem fazer também em porções individuais, dentro de taças ou coisas assim. Mas eu gosto da ideia do pote grandão onde os dois comerão juntos.

  • Agora é hora de banhar os biscoitos na mistura de café e licor (caso tenham usado). Colocar uma camada de biscoitos por cima do creme. Uma dica legal é não molhar o biscoito em excesso. Como esse doce fica melhor quando feito com antecedência, aos pouquinhos, enquanto vai firmando na geladeira, o café vai penetrando neles, sem a necessidade de deixar tudo ensopado.

  • Quando a camada de biscoito tiver terminado, adicionar mais uma camada de creme.
  • Repetir a operação com o biscoito
  • Colocar mais um bocado de creme
  • Agora é só finalizar com cacau em pó peneirado por cima e geladeira por ao menos 2h.

Pessoal, espero que vocês se deliciem com essa sobremesa sem reservas, como no filme. Eu confesso: não sou uma pessoa que ama doces, mas esse ai tem um lugar cativo no meu coração. Não sei se as lendas afrodisíacas sobre ele são verdadeiras, mas ele é desses doces que nos dão prazer ao comer. É muito bom afundar a colher até o fundo da travessa, pegando assim camada por camada dessa delícia para degustá-la devagarinho.

Que a noite de vocês seja mágica!

Até a próxima!

About Nicole Delucca Linhares

Uma jornalista obcecada pelo lado bom da vida que está sempre em busca de experiências românticas para dividir com o mundo. Apaixonada por comidinhas, pores-do-sol, plantas, livros, cinema, viagens e teatro. É também professora de italiano, cozinheira para todas as horas, filosofa de boteco e, por fim, uma mistura doida de Minas, Itália e Piauí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *